Página Inicial
Retornar à Página Inicial.
:
:
 
Natureza ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 INMETRO BSI GSI IGS COBAPLA
 
» Filmes
» Triplast
» Siloplast
» Estufas
» Mulching Frutiplast
» Aporte para Solda de Geomembrana
» Lonas
» Sacos
» Termoretrátil
50 anos Plastisul
Gad'brivia
 
 
Estufas
 
  Filmes para Estufas

O Polietileno de Baixa Densidade (PEBD), produto derivado da Nafta, é o material mais empregado na Plasticultura, para cobertura morta de solos (Mulching) e cobertura dos túneis e estufas.

A transparência à irradiação solar do Polietileno está na faixa dos 80%. Isto quer dizer que dentro das estufas temos 20% menos luz que no exterior.

A transparência do plástico deixa passar pela parede do material a maior quantidade possível de luz e depende de três fatores:
Poder Absorvente de Luz - o material absorve maior ou menor porcentagem de radiação solar.


Poder de Reflexão – os raios solares que não atravessam o plástico refletem na superficie externa do plástico, dependendo do ângulo de incidência da radiação recebida.
Poder de Difusão – as irradiações solares se difundem ao passar pelo plástico e como conseqüência, temos mais luz no interior da estufa.

A espessura do plástico tem pouca influência na transparência do polietileno. Na ordem de 1 a 2% para espessuras entre 100 e 200 micra.
A opacidade do polietileno às radiações noturnas consiste em não deixar passar pelo material, durante a noite, o calor emitido pelas plantas, pelo solo e pelas estruturas das estufas.

O PEBD aditivado com absorvedores de irradiação ultravioleta tem uma durabilidade estimada de 18 meses à exposição solar, pois os aditivos anti-UV nele incorporados lhe permitem, durante este período de exposição à irradiação solar, resistir principalmente à ação do ultravioleta.

Da irradiação ultravioleta que atinge a terra (rés do chão), cerca de 5% consiste de ultravioleta nível B (UVB) e os restantes 95% são da ultravioleta nível A.

Embora os 5% da irradiação UVB represente uma pequena participação, é ela a principal responsável pelas queimaduras, fotodegradação e fotoenvelhecimento.

Um polietileno sem proteção à irradiação solar, principalmente a ultravioleta (UV), não resistiria mais de 90 dias à exposição solar.

Os aditivos anti-UV mais modernos e comumente utilizados para a proteção de filmes agrícolas, para estufas e túneis, contra a fotodegradação, é atualmente o HALS ( Hindered Amine Stabilizers), um fotoestabilizador do tipo amina.

Os estabilizadores de luz HALS pertencem a uma classe de substâncias quimicamente reativas que bloqueiam os radicais livres criados pela degradação da ligação dupla do carbono, que é a matriz do polímero, provocada e desencadeada pela ação nociva dos raios ultravioleta.

Cabe destacar que os estabilizadores de luz a base de HALS são propensos aos ataques de produtos químicos ácidos. Esta sensibilidade se manifesta especialmente à vários agroquímicos (inseticidas, fungicidas, herbicidas, etc.), que contém em sua composição derivados de enxofre e/ou produtos halogênios.

A linha Trifilme é conhecida por sua qualidade. São filmes aditivados com Anti-UV e por isso duram mais, uma vez que estabilizando a ação da irradiação solar, evitam seu envelhecimento precoce. O Trifilme é fabricado por co-extrusão ( três camadas), conferindo ao material qualidade e resistência superior. Por este processo são produzidos o Trifilme Leitoso, Difusor de luz, Térmico, Antigotejo, Antiestático e Fotosseletivo.

Os filmes transparentes aditivados com Anti-UV, fabricados pela Plastisul e utilizados para a cobertura de túneis e estufas, são comercializados em bobinas, cujas larguras variam de 2,20 m, 4 m, 6 m, 7,60 m , 8 m e 10 m. Com 100 m e 105 m de comprimento
  Trifilme Térmico
O “Efeito Térmico” do polietileno térmico é a propriedade de ser relativamente opaco às irradiações infravermelhas de comprimento de onda longa, emitidas pelo solo, pelas plantas e pelas estruturas das estufas, diminuindo os riscos da inversão térmica e melhorando o Efeito Estufa.

A espessura dos filmes de polietileno têm grande influência sobre o efeito térmico, diminuindo considerávelmente a capacidade de retenção das ondas longas / energia calorífica, quando se reduz a sua espessura. Por exemplo: um polietileno térmico de 200 micra ( 0,2 mm) tem uma capacidade de retenção de 30% da energia calorífica, enquanto num filme térmico de 100 micra (0,1 mm) sua capacidade térmica fica reduzida a 13%.

Os polietilenos incorporados do Copolímero EVA (Acetato de Vinil Etileno) têm características semelhantes ao Copolímero EVA puro, comparando-se a transmissão global de luz.

As lâminas com EVA são mais flexíveis e mais resistentes aos impactos, porém apresentam menor resistência ao rasgo. São mais transparentes à irradiação solar e mais difusoras de luz que o PEBD puro.

A durabilidade do PEBD incorporado de EVA corresponde às mesmas garantias do PEBD aditivado anti-UV.
Trifilme Plastilux
Filmes em três camadas, com moderna aditivação, que apresentam vantagens como:

- Menor reação dos aditivos com os defensivos agrícolas;
- Maior eficiência na estabilização da cadeia de carbono dos filmes;
- Filme foto seletivo, possui aditivos que filtram mais de 80% da radiação UVB (filme de 150 micra). Radiação UVB é nociva aos cultivares e ao homem, é responsável pelo foto envelhecimento, queimas. Esta absorção, é conhecida popularmente, como efeito anti vírus, pois a ausência deste espectro de luz, inibi a presença do inseto vetor (minador, mosca branca, pulgões, trips).
- Absorvedor de alta permanência no filme. O seu poder de absorção permanece por mais de 24 meses, com baixas perdas.

Segue quadro de absorção do Trifilme Plastilux 150 micra. Na coluna vertical, mostra-se o percentual de absorção, e na coluna horizontal o espectro da luz.


 
  Trifilme Antigotejo
O ar contém sempre uma quantidade de vapor de água. A quantidade máxima que ele pode contêr depende da temperatura ambiente.

Num dia normal, quando temos 20º C de temperatura do ar, com uma umidade relativa do ar de 70%, certamente teremos10,3 gramas de vapor d'água por quilograma de ar seco.

A condensação de água numa cobertura plástica de polietileno ocorre pela diferença térmica entre o interior e o exterior da estufa, condensando o ar quente e úmido.

As gotas se unem formando uma gota maior e esta perde sua força de sustentação, caindo sobre as plantas, assim favorecendo a ocorrência de doenças. Se mantermos a temperatura interna da estufa a 10º C, verificaremos que contém 7,6 gramas de vapor d'água, 10,3 g – 7,6 g = 2,7 gramas de ar seco que irão se condensar junto das paredes do plástico da estufa.

Para controlar a formação da gota, uma vez que é impossível evitar a condensação do vapor d'água no interior da estufa, a Plastisul desenvolveu o Trifilme Antigotejo. Este consiste num polietileno transparente aditivado de um elemento químico responsável pelo efeito Antifogging, isto é, não permite a formação da gota d'água junto do plático da cobertura, reduzindo à zero a tensão superficial entre ambos e fazendo com que a água da condensação escorra junto da película de plástico, sem cair sobre as plantas.
  Trifilme Antiestático
Sabemos que uma grande quantidade de pó está presente em suspensão no ar que respiramos. O polietileno tem uma grande afinidade com este pó, pois quando exposto à irradiação solar, formam-se micro furos na superfície do plástico da face exposta ao sol. Então os micro grãos de pó se acomodam e ocupam estes pequenos espaços, provocando um certa opacidade no plástico.

A Plastisul produz um filme transparente aditivado Anti-UV para túneis e estufas com um aditivo antiestático, com o objetivo de reduzir a tensão estática e evitar a atração da poeira (repele o pó).
  Trifilme Antifungos
As plantas são verdadeiras máquinas que funcionam pela ação da luz solar. A luz é a energia da fotossíntese, pois as plantas absorvem a energia solar e a transformam em substâncias que, direta ou indiretamente, sustentam a maioria das outras formas de vida terrestre. A luz não é somente a energia das plantas, pois o futuro de uma semente germinada não depende apenas da luz, mas também da qualidade da luz recebida.

A qualidade desta define o crescimento da planta, o volume de folhas, a floração, a frutificação e o envelhecimento. Isso nos mostra que a luz determina todos os momentos da vida vegetal, também devendo atuar sobre o processo de morfogênese (gens) das plantas.


Se as reações bioquímicas da fotossíntese são conhecidas, o mecanismo bioquímico da fotomorfogênese também, principalmente os gens ativos pela ação da luz que são identificados como elementos fotorreativos.

O controle desses elementos fotorreativos permitiu o desenvolvimento de filmes agrícolas, para cobertura de estufas, explorando todos esses conhecimentos. Esses filmes agrícolas chamados de fotosseletivos de ação absorvente e fotossensíveis são compostos por filtros que modificam a composição do espectro solar, assim que a luz é transmitida para o interior da estufa.

Esses filmes agrícolas de ação fotosseletiva, incorporados de filtros absorvedores e refletores são destinados a controlar a ação de fungos causadores de doenças no interior das estufas. Isto ocorre em razão da qualidade de luz, que exerce modificações sobre a sensibilidade das plantas portadoras de doenças, principalmente às ocasionadas por fungos aéreos, como Botrytis cinerea, Sclerotinia, Alternaria, Stemphylium e outros.
  Trifilme Difusor de Luz
Assim como os filmes leitosos tem a propriedade de difundir a luz solar, numa proporção maior que os filmes normais de polietileno, a Plastisul está oferecendo um Trifilme Difusor de Luz para cada tipo de cultivo, pois a necessidade de se difundir a luz no interior dos cultivos protegidos, depende de cada cultura e quando se deseja controlar o excesso de irradiação direta.

O Trifilme Difusor de Luz é composto por um aditivo orgânico de alta ação na difusão de luz dentro das estufas, podendo aumentar a irradiação solar difusa de 30 a 65%.
  Trifilme Leitoso
A luz solar atua diretamente no desenvolvimento das plantas através do processo de fotossíntese. Existem comprimentos de ondas que são impressindíveis para a formação da clorofila. Conhecendo tais fenômenos, sabemos que podemos controlá-los através dos filmes de polietileno, regulando a luminosidade incidente sobre as plantas.

O controle da radiação solar sobre as plantas é muito importante, pois assim é possível mantêr sob controle o ambiente no interior das estufas, quando controlamos a quantidade de luz e a temperatura do ambiente protegido.


Entre os aditivos controladores da radiação, encontram-se os utilizados para a produção de filmes leitosos. Os filmes leitosos auxiliam na redução da intensidade da luz no interior das estufas ou túneis, permitindo um melhor controle da temperatura e reduzindo o estresse das plantas, quando a temperatura ambiente se projeta nas estações quentes.

Por isso a Plastisul está oferecendo o Trifilme Leitoso, para utilização em cultivo de flores e morangos. Culturas estas bastante sensíveis e que merecem cuidado quanto à insolação.
Triplast Super-UV para Escurecimento de Estufas
No interior das estufas, para a produção de determinados tipos de flores o uso de filmes negros (opacos à luz) é possível. Estes filmes são utilizados para o controle da luz, pois o excesso de luz solar, em determinados momentos, interfere no ciclo de produção.
Atenta a esta condição, a Plastisul está colocando à disposição dos produtores de flores em estufas, o filme Triplast Super-UV. Um dos mais modernos produtos para o escurecimento de ambientes protegidos. Principalmente no cultivo de crisântemos, begônias, kalanchoe e outras flores. A Triplast possui uma face branca e outra preta. A branca é voltada para cima (exposta ao sol) e a preta é voltada para baixo, não deixando passar a luz solar e minimizando as dificuldades com a temperatura.

O produtor de cogumelos, principalmente de Champignons (em virtude da necessidade do cultivo se desenvolver em ambientes sem luz solar), podem se beneficiar com o uso da Triplast Super-UV. No caso do cultivo de outros cogumelos, como o cogumelo do sol (Agarius Blazei), não há necessidade do cultivo em ambientes escurecidos.